quarta-feira, 2 de abril de 2014

"Entre Desistir e Lutar"....



Entre desistir e lutar.
(dedicado a todo Setor Cultural do Estado do Espírito Santo)
02 de abril de 2014, Vila Velha, ES.

Entre desistir e lutar
Aqui estou.
Medo, angústia, temor...
Vontade, coragem, atitude!
Cultura, sonhar, amor
Ser cultura, ser ativista, ser sonhador, ser juventude.

Entre desistir e lutar, aqui estou.
Sou tomado pela angústia de buscar,
Na esperança de meu olhar na luta para ver
o que às vezes parece-me impossível ser, impossível conseguir.
Aqui estou, e perguntou-me porque ainda estou?
Se tudo parece tão difícil e impossível...

Entre desistir e lutar
Resolvi tentar, sofrer, angustiar-me,
resolvi seguir
.
Desejei falar e pôr para fora o que eu sinto.
Falaram-me das muralhas, do vão imenso entre nós que acreditamos na cultura e por ela lutamos, e aqueles que a ela relegam o descaso, e que a ela instrumentalizam sem causa definida. Entre o vão entre nós que militamos nos seios populares junto a cada beco, viela, pequena cidade, e àqueles que estão no topo da pirâmide em escalões do sistema.


Falaram-me de que nesta luta não há prestígio, de que lutar por cultura
é um litígio, e que vencer pode tornar-se quase impossível.
Mas aqui estou entre desistir e lutar...
O sonho pulsa no peito, e o sangue jorra dos olhos
Este sangue é o desejo de lutar e a dor da angústia em busca
de vitórias.

Às vezes sinto-me tão só, mas eu sei que o sonho pela cultura
não é uma conquista pessoal de um indivíduo que resolveu ficar,
aqui estou, só para dizer de que não estou só,
pois quando olho lá no noroeste do Espírito Santo, em pequenas cidades,
olho o mineiro pau, folias, poloneses, pomeranos, afros, italianos, artistas simples, artesões, atores, cantores, poetas, cinema de bordas, escritores, vejo jovens, vejo arte
em cada olhar e expressão de um povo que tem sede de oportunidade, sede de se expressar.

Aqui estou entre desistir e lutar,
E hoje, quando se esvai todas as forças, quando a esperança chora no
meu olhar, e o coração esta fadado da luta, recolhe-me na solidão poética
e recorro-me aos versos para aliviar o sofrimento.

Apenas, porque aqui estou,
Entre resistir e lutar...

Por Luciano Guimarães de Freitas

Ativista Cultura, Poeta, Cineclubista.

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

É FUNDADO O CINECLUBE “SR. MANOELZINHO” EM MANTENÓPOLIS/ES.

É FUNDADO O CINECLUBE “SR. MANOELZINHO” EM MANTENÓPOLIS/ES.





Foi fundado neste dia 06 de fevereiro de 2014, mais um Cineclube na Região Noroeste do Estado do Espírito Santo, por meio do Circuito Regional de Formação Cineclubista desenvolvido pelo Cineclube Eco Social Águia Branca com recursos do Fundo Estadual de Cultura – Edital 032/2013 - Edital de Cineclubes. E por meio de parceria com a Secretaria de Educação e Cultura do Município de Mantenópolis.

A Oficina de Formação teve a duração de dois dias, no último dia de Oficina realizou-se a Assembleia de Constituição do Cineclube.

O Nome que dá origem ao Cineclube é uma homenagem da Secretaria de Educação e Cultura e populares presentes na Oficina ao Sr. Manoelzinho, cineasta e pessoa ímpar de reconhecido valor ao contexto histórico e cultural do Município. 

O Cineasta é considerado uma referência nacional do cinema de bordas segundo a Tv Itaú Cultural e tendo já circulado em diversos programas de entrevista na Tv Brasileira e compõe a memória viva de uma era em que as nossas pequenas cidades e a população podiam ter acesso ao rico mundo imaginário do cinema, quando o cinema no interior era um local de encontro, lazer e integração social entre a população interiorana. 

O Cineclube será filiado ao Conselho Nacional de Cineclubes e a Organização dos Cineclubes Capixabas, Entidades representativas do Movimento Cineclubista no Brasil e no Estado do Espírito Santo.

O Cineclube vem a promover no Município o acesso ao rico mundo imaginário do cinema, promovendo exibições de filmes, sejam nas Escolas desenvolvendo um contexto pedagógico por meio do filme; ou seja nas comunidades e distritos do Município como uma atividade de lazer. Ainda o Cineclube desenvolverá atividades itinerantes nas Praças Municipais, Ruas e Bairros e outros locais de encontro dos jovens e população Mantenopolitana; como também será um espaço para exibição dos filmes do Sr. Manoelzinho.

A Diretoria eleita na Assembleia Geral de Constituição é composta pelos seguintes componentes:

Coordenador Geral Clébio Santana; Sub Coordenador José Pereira da Silva; Secretária Geral Jéssica Moreira Cândido Guerra; Coordenador de Divulgação e Articulação Kelvin Simas; Sub Coordenador de Divulgação e Articulação João Vitor Benísio; Coordenador de Programação Denilson Paizante da Silva. E para o Conselho Fiscal, Irani Ramos de Souza, Antônio Vilaça Filho e Luciano Guimarães de Freitas.

Segundo o Secretário de Educação e Cultura de Mantenópolis, Denilson Paizante, a criação de um Cineclube em Mantenópolis é a realização de um sonho e a oportunidade de homenagear uma pessoa que é de grande importância para o Município, que é o Sr. Manoelzinho, e ainda, a possibilidade de levarmos para os populares do Município e alunos nas Escolas, o acesso ao cinema. O Cineclube será ainda um rico complemento para o desenvolvimento pedagógico nas Escolas na promoção de debates após as apresentações dos filmes.

Luciano Guimarães, Diretor de Memória do Conselho Nacional de Cineclubes e Presidente do Cineclube Eco Social Águia Branca, destacou que a atividade ministrada em Mantenópolis foi mais uma oportunidade de conhecer a rica diversidade cultural da Região Noroeste e de encantar-se ao encontrar pessoas de ricas vivências comuns e que acreditam e valorizam a importância da cultura. O trabalho desenvolvido pela Secretaria de Educação e Cultura vem se consolidando como referência cultural na Região Noroeste.

O Município de Mantenópolis tem sido um pilar na articulação para criação do Circuito Cultural Noroeste, projeto contemplado no Chamamento Público da Secretaria de Estado da Cultura e que irá circular apresentações culturais, eventos, oficinas, Fóruns e Seminários na Região Noroeste a partir de maio. A participação de Mantenópolis na frente de articulação do Projeto é de imensurável valor para nós que militamos e acreditamos na cultura como vetor de desenvolvimento, quando nós do Comitê Noroeste de Cultura temos unido forças para elevarmos a cultura em nossa Região ao patamar de Políticas Públicas.

O trabalho desenvolvido pelo Secretário Denilson Paizante a frente da Secretaria de Educação e Cultura deveria ser um modelo para todos as outras Secretarias de Educação e Cultura de nossa Região, assim como a atuação de artistas e militantes do município, como Alana Almondes que compõe o Comitê Noroeste criado durante o Plano Estadual de Cultura também é uma referência para todos nós que também militamos em prol da cultura.

O Circuito Regional de Formação Cineclubista ainda espera realizar 04 Oficinas Regionais, que deverão acontecer em Águia Branca, Nova Venécia, Vila Pavão e São Domingos. Mas, o projeto está aberto a convite de outros Municípios para suporte e apoio para que outras localidades possam conhecer este universo cultural.

O Cineclube é a grande possibilidade para que a população no interior volte a ter acesso ao filme projetado em uma tela, e possam promover ricos espaços de encontro das pessoas e de formação do olhar promovendo a educação social e cidadã.

Os contatos para participar do Circuito é pelo e-mail da produção do projeto, lucianoprodcultural@gmail.com ou cineclubeecosocial@gmail.com.

Maiores informações também no blog: www.cineclubando.blogspot.com

Mantenópolis - ES, 07 de fevereiro de 2014.

CIRCUITO REGIONAL DE FORMAÇÃO CINECLUBISTA - CINECLUBE ECO SOCIAL ÁGUIA BRANCA/ES.

Realização: 



Apoio:








domingo, 2 de fevereiro de 2014

CIRCUITO REGIONAL DE FORMAÇÃO CINECLUBISTA - ESPÍRITO SANTO




MANTENÓPOLIS RECEBE O CIRCUITO REGIONAL DE FORMAÇÃO CINECLUBISTA.



O Cineclube Eco Social inicia as suas atividades no ano de 2014 com o Circuito Regional de Formação Cineclubista, projeto patrocinado pelo Fundo Estadual de Cultura do Espírito Santo, Edital 032/2013.

O Circuito Regional de Formação Cineclubista realizará 04 Oficinas de Formação para criação de Cineclubes em Municípios do Território Noroeste do Espírito Santo.

A criação de um Cineclube tem por objetivo criar um espaço de exibição de filmes aberto ao público, possibilitando o acesso ao cinema pelos Municípios do interior do Estado. E por meio do cinema promover a formação do olhar dos adolescentes e jovens, bem como a promoção de debates sobre temáticas sociais e populares.

O primeiro Município a receber o Circuito de Formação Cineclubista é o Município de Mantenópolis, a atividade tem como parceira a Prefeitura Municipal de Mantenópolis por meio de sua Secretaria de Educação e Cultura e o Museu Histórico de Mantenópolis.

É o interior do Estado voltando a ter acesso ao cinema...

O Cineclubismo também é à base do processo cinematográfico, para quem algum dia deseja ingressar no universo do cinema e do audiovisual. É um espaço de encontro de ideias e formação do olhar diante da tela e do audiovisual.

As Oficinas serão ministradas pelo Diretor de Memória do Conselho Nacional de Cineclubes, Luciano Guimarães, que é Presidente do Cineclube Eco Social Águia Branca e Produtor do Circuito Regional de Formação Cineclubista.

Com a criação dos novos Cineclubes, eles poderão participar do V Encontro Estadual de Cineclubes a se realizar em junho de 2014 no Município de Águia Branca, e da Jornada Nacional de Cineclubes que se realizará em Salvador – BA e reunirá todos os cineclubes brasileiros.

Ainda, o Cineclube é uma via para que a população nos pequenos e médios Municípios no interior do Estado, voltem a se encontrar com o mundo imaginário da sétima arte, o cinema.

No Estado do Espírito Santo, a organização estadual do Movimento Cineclubista é articulada entorno da Organização dos Cineclubes Capixabas – OCCA; e o Estado compõe ainda a Diretoria do Conselho Nacional de Cineclubes e a Presidência da Federação Internacional de Cineclubes que reúne 75 países membros e é presidida pelo Francisquense Dr. Antônio Claudino de Jesus.

Na Região Noroeste do Estado há três Cineclubes:
  • Barra de São Francisco: Cineclube Imagem em Movimento.
  • Águia Branca: Cineclube Eco Social.
  • Alto Rio Novo: Cineclube Alto Cine.
  • Nova Venécia: Cineclube Titãs – IFES


Neste ano de 2014, o Cineclube Eco Social comemora 10 anos de sua fundação com a realização do Circuito Regional, que é apoiado pela Secretaria de Estado da Cultura por meio do Fundo Estadual de Cultura.

Ainda em 2014, o Município de Águia Branca por meio de articulação entre o Cineclube Eco Social e a Organização dos Cineclubes Capixabas, receberá o IV Encontro Estadual de Cineclubes que reunirá todos os cineclubes do Espírito Santo difundidos em todas as regiões do Estado.

“A democracia e o direito ao voto são incompletos senão estendidos aos bens culturais, o acesso à cultura e no caso específico, ao cinema, são direitos de todo cidadão. O Cineclubismo cumpre o papel fundamental de prover o acesso ao cinema e ainda promove um rico espaço de debate que contribui para formação de público para o cinema brasileiro e a formação do olhar de adolescentes e jovens, culminando na promoção da cidadania.”

Maiores Informações:


Páginas e Grupos no Facebook:

-Cineclube Eco Social
-Intervenções Culturais
-Organização dos Cineclubes Capixabas
-Nossa OCCA.

Blogs:


Luciano Guimarães de Freitas
Presidente – Cineclube Eco Social
Diretor de Memória do Conselho Nacional de Cineclubes
Produtor Executivo – Circuito Cultural Noroeste/ES





sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

CULTURA NA REGIÃO NOROESTE




A CULTURA EM ECOPORANGA TORNA-SE UM EXEMPLO PARA TODA A REGIÃO.
Ecoporanga tem sido um exemplo para o desenvolvimento cultural da Região Noroeste, basta dizer a impactante participação no Seminário de Elaboração do Plano Estadual de Cultura realizado em outubro no Município de Nova Venécia, sendo o Município que teve a maior participação contando com um número entorno de cinquenta cidadãos muito participativos.

Infelizmente no momento do Seminário não tivemos a presença do Município de Água Doce do Norte e Barra de São Francisco.

Participarão ainda, do Seminário os Municípios de Mantenópolis, Águia Branca, Nova Venécia, Vila Pavão, somando-se a participação de Ecoporanga.

Na oportunidade, após calorosos debates sobre o desenvolvimento cultural e aprovação de prioridades e propostas que contemplem a Região para o Fórum Estadual de Cultura, representando o Cineclube Eco Social do Município de Águia Branca e como cidadão e Produtor Cultural, fui eleito pelos Municípios presentes como Membro Titular Representando a Região Noroeste no Fórum Estadual de Cultura de Elaboração do Plano Estadual de Cultura, que norteará a nossas diretrizes culturais pelos próximos 10 anos.

Eu acredito no fortalecimento cultural de nossa Região e na contribuição significativa da cultura para todo o desenvolvimento, seja econômico ou social, vejo a cultura como um dos pilares mais importantes de um desenvolvimento.

“Todo o desenvolvimento, o progresso e a democracia não são completos senão estendidos à cultura. E o desenvolvimento econômico sem o desenvolver da cultura, tornar-se-á um dia o caos de nosso desenvolvimento humano e social e a insustentabilidade de nossa economia.”

No dia 12 de dezembro de 2012, das 08 horas às 17 horas, na Câmara de Vereadores de Ecoporanga, acontecerá o Fórum Municipal de Cultura de Ecoporanga.  Uma ação capitaneada entre jovens atuantes da cultura e apoiada pelo Departamento de Cultura do Município.

O Fórum terá os seguintes Eixos:

A criação de Grupos de Trabalho:

- Eixo Municipalização da Cultura Sugestões para a elaboração do Plano Municipal de Cultura e da Secretaria de Cultura;

- Eixo Cultura e Turismo – Meios a exploração de áreas;

- Eixo Interação do Meio Rural com a Cultura – Resgate das lutas Camponesas do Município;

- Eixo Negros e cultura – Demarcação de terras quilombolas, programas federais sobre a cultura negra;

- Eixo Educação e Cultura – Educação como base do desenvolvimento Cultural.

E contará com a presença de representantes da Secretaria de Estado da Cultura, convidados para participar e contribuir com o evento, Ana Saiter Lemos e Paulo Sena. Ainda haverá a presença do Comitê Organizador Noroeste Eleitos no Seminário do Plano Estadual de Cultura e outros convidados.

 Ao final do Fórum espera-se a realização de um Marco Cultural que será a entrega das prioridades aprovadas no Fórum e uma Carta da Cultura consagrando o que espera para o desenvolvimento cultural de Ecoporanga para os próximos anos.

É preciso compreender a importância deste evento, não só para o Município de Ecoporanga, mas também para toda a Região Noroeste. É necessário que os Gestores Públicos possam mudar as formas em de Gestão Cultural em nossa Região, mais ainda, é necessário que se promova um debate amplo e participativo com a Sociedade Civil Organizada e se crie um norte para a cultura em nossa Região, com o principio maior de desenvolvimento de nossa cultura com forte participação da sociedade e de nossas juventudes.

Nos últimos anos, a pasta da cultura no âmbito nacional e estadual vem tendo consequente atenção e cultura vem sendo reconhecida como um pilar importante ao desenvolvimento. E por aqui em nossa Região Noroeste?

Bom, na Região Noroeste são bem poucos os Municípios que possuem Secretarias específicas da Cultura, Conselhos Municipais de Cultura, Planos Municipais de Cultura, e por isso estão inaptos a conveniarem com recursos federais para a cultura. Mais do que isso, a nossa cultura e as nossas tradições têm se perdido na história e no tempo, na mesma velocidade em que os nossos jovens têm perdido as suas referências culturais, sociais e familiares; e então vão se enveredando por outros caminhos tão distantes do amor, da paz, e da fraternidade.

Precisamos fortalecer o nosso desenvolvimento cultural, não só do ponto de vista político, como também fortalecer a formação e capacitação, baseado na importância da cultura na consolidação dos valores sociais, na contraposição a interiorização da violência.

Não basta termos uma boa Polícia Militar e bem equiparada nas zonas periféricas atuando no combate ao crime, senão tivermos um desenvolvimento cultural fortalecido atuando na formação de nossos jovens e de nossas crianças. Sem este processo de formação cultural, continuaremos padecendo com a segurança pública e sofrendo com o aumento da violência em nossos Municípios e a disseminação das drogas outras problemáticas sociais.

Não podemos nos submeter somente ao combate contra a violência com violência. Precisamos criar um diálogo com a sociedade civil e iniciarmos um processo de formação cultural de nossas juventudes, resgates de nossos valores e só então, poderemos acreditar que toda esta interiorização da violência será reversível e poderemos ter um interior do  Estado mais calmo e com mais paz e fraternidade, como era antigamente.

Tiremos por exemplo quantas atividades culturais dos Municípios atuam nas comunidades menos favorecidas, nas periferias e nos morros? Contrapomos isso a desigualdade e justiça social. Entendo a complexidade destes temas, como é complexo debater tais assuntos. Mas eu acredito que um desenvolvimento cultural fortalecido e democrático pode ser um caldo para mudanças de comportamentos, surgimento de novas idéias e atitudes.
Nossa Região Noroeste sempre formou grandes ícones culturais, e em tempos passados, não ficamos as margens da história. Defendemos este Estado durante o contestados, doamos algumas áreas em alguns Municípios para construção de Presídios Estaduais no interior do Estado, e precisamos agora nos unir para uma ação em prol da cultura e da formação social, para podermos todos os Municípios da Região Noroeste atuarmos em contraposição as problemáticas sociais e da violência e o fomento de encaminhamentos em defesa de nossa cultura, em defesa da vida e do ser humano.

Precisamos mudar nossas Gestões Culturais e compreendermos a importância do Desenvolvimento Cultural para a nossa Região Noroeste. Podemos identificar que os Municípios que mantém as suas tradições e as suas culturas têm sido os Municípios que menos tiveram aumento de homicídios e da violência.

Fala-se sempre em cortar gastos e sempre se corta primeiro na pasta da cultura. E sempre com intuito de investir mais em educação e em saúde.

Mas um povo que tem um desenvolvimento cultural fortalecido é um povo onde a educação é mais qualificada e a é um povo com mais  saudável.

A cultura mais do que gerar respostas, deseja promover questionamentos, ação que toda arte traz vinculada a si mesma. Como nos disse o poeta Ferreira Gullar: “A arte transforma as pessoas e as pessoas transformam o país.

Nós precisamos começar a pensar em curto, médio e longo prazo, como iremos atuar na formação de nossas futuras gerações, e como a cultura pode contribuir de forma significativa para isso. Ressaltando de que não haverá futuras senão cuidarmos da nossa geração. É preciso urgentemente um começo.

Baseados nestes princípios expostos neste artigo, é preciso parabenizar ao Município de Ecoporanga pela mobilização, certamente é um exemplo a ser seguido.
Torço para que todo o evento tenha uma participação massiva e efetiva de toda a Sociedade Ecoporanguense, em especial, da juventude e sociedade civil organizada. E que os outros Municípios da Região Noroeste possam promover também os seus Fóruns Municipais, quem sabe, possamos promover um Fórum Regional de Cultura.

Aproveito para convidar aos Municípios que compõe o Comitê Noroeste de Organização do Plano Estadual de Cultura, que enviem os seus membros eleitos para o Fórum de Ecoporanga, quando estaremos também realizando a primeira Reunião do Comitê para debatermos sobre os Editais do Fundo Estadual de Cultura para o exercício de 2013, aprovarmos um calendário de reuniões do Comitê, e debatermos sobre as funções e ações do Comitê na Região Noroeste.

Por Luciano Guimarães de Freitas
Membro Titular Região Noroeste no Fórum Estadual de Cultura.
Produtor Cultural.
Presidente do Cineclube Eco Social e Sócio Fundador do Cineclube Imagem em Movimento.
Atuante no Movimento Nacional de Cineclubes desde 2004.
Poeta.
                                                                                  

Águia Branca- ES – 07 de dezembro de 2012.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Cineclubando: O CINECLUBISMO NO ESPÍRITO SANTO

Cineclubando: O CINECLUBISMO NO ESPÍRITO SANTO: O CINECLUBISMO NO ESPÍRITO SANTO. O cineclubismo no Espírito Santo vem em um intenso desenvolvimento desde o ano de 2003 que mar...

O CINECLUBISMO NO ESPÍRITO SANTO


O CINECLUBISMO NO ESPÍRITO SANTO.



O cineclubismo no Espírito Santo vem em um intenso desenvolvimento desde o ano de 2003 que marca a rearticulação nacional do movimento cineclubista no Brasil, após uma década de desarticulação durante o período Pós Ditadura Militar.

Historicamente, o Cineclubismo tem por base a formação de público para o cinema e a contraposição ao monopólio de mercado, lutando pelo acesso a filmes considerados sem tela, ou em específico, o acesso ao cinema nacional e o acesso ao cinema por outra estética que não seja o tratamento do cinema como produto de consumo e não como cultura.

O Estado do Espírito Santo, sempre teve uma atuação fundamental no desenvolvimento do audiovisual brasileiro, seja através da participação do Estado no Movimento Cineclubista ou na participação do Estado em outras Entidades, como a Associação Brasileira de Documentaristas e Curta Metragistas.

No entanto, vamos discorrer aqui, mais especificamente sobre o Cineclubismo.

Durante este processo de retomada e rearticulação do Cineclubismo no Espírito Santo, é importante salientar que o Estado já chegou a registrar mais de 30 cineclubes na década de 80, difundidos em diversas regiões. Na própria Universidade Federal, chegamos a registrar mais cinco cineclubes divididos em diversos Centros de Ensinos de variados cursos, sendo o Cineclube Universitário o Centro Irradiador do Cineclubismo no Estado.

Hoje, após oito anos vivenciados desde o ano de 2004 quando o Estado do Espírito Santo participou da 25ª Jornada Nacional de Cineclubes realizada em São Paulo/SP e que marcou a rearticulação do movimento, quando o Estado foi representando por nove cineclubes; notamos um intenso e diversificado desenvolvimento do Cineclubismo no Estado do Espírito Santo. Mesmo quando somente no Ano de 2010 conseguiu-se de fato, após várias tentativas, dar um início a legitimidade de uma Entidade Estadual Representativa do Movimento no ES.

Ainda, observamos alguns parâmetros diferenciais entre o Movimento Cineclubista de hoje e o da década de 80. Na década de 80, até onde fomos capazes de nos aprofundar, a grande máxima do Cineclubismo era a formação de público para o cinema, o acesso a filmes de arte que não chegavam ao circuito exibidor, a contraposição a Ditadura e Censura, e outros aspectos. Levando em conta, que desde que surgiu o movimento no mundo, sempre foi voltado para a formação de público, para a democratização do acesso ao cinema, e para o acesso aos filmes excluídos do monopólio comercial.

Atualmente, percebemos uma diversidade de cineclubes surgindo, dentro de suas diversas lutas e bandeiras, ou mesmo, dentro de diversos e ricos gêneros. No Espírito Santo, os cineclubes vão desde a exibição e debate sobre o meio ambiente, diversidade cultural, educação, formação, até o debate com segmentos sociais, e ainda, cineclubes que atuam na defesa e acesso ao cinema capixaba e que marcam a volta do cinema no Bar.

A exemplo desta diversidade, o Cineclube Eco Social que é um centro irradiador do Cineclubismo na Região Noroeste, que teve suas atividades até o ano de 2008 voltadas para exibição de filmes ambientais dentro do Parque Natural Municipal Recanto do Jacaré, no município de Águia Branca. Atualmente, o Eco Social, atua na formação do olhar através do audiovisual , dentro de uma escola estadual, tendo como público direto adolescentes e jovens.

O Cineclube Colorado, que hoje comemora três anos de existência, e vem cumprir o papel da retomada do Cinema no Bar, realizando exibições e mostras de filmes, em no espaço do famoso Bar do Pantera, em Campo Grande Cariacica. Estivemos a pouco, participando do 1º Curta Colorado, uma mostra de Produções Independentes Capixabas que teve grande destaque na mídia impressa do Estado.

O Cineclube Olho da Rua, uma ação do Centro de Comunicação Popular Olho da Rua, uma turma de jovens atuantes em diversas frente de luta e formação crítica, que desenvolve um trabalho de formação social, humana e política. O Cineclube Olho da Rua, torna-se um cineclube diferenciado, voltado diretamente a formação do ser humano e elencado em diversas frentes, como o Fórum da “Não Violência as Mulheres”, Movimento Negro, etc.

O Cineclube Lagoa, que atua na Região Serrana, em Afonso Cláudio, mais especificamente, em um pequeno recanto pomerano chamado de Lagoa ou Serra Pelada, através da Associação Diacônica Luterana, possibilitando a democratização e o acesso não só ao cinema como as novas tecnologias, atuando em conjunto com o Núcleo de Produção Audiovisual Lagoa, realizando além da exibição de filmes a produção dos seus próprios filmes junto com a comunidade local.

E há o ressurgimento de Cineclubes mais antigos, como o Cineclube Guadala, que atua na democratização do acesso ao cinema para a comunidade, o Cineclube Cinescam que atua com exibição de filmes na Faculdade de Medicina Emescam.

Enfim, após o ano de 2012, quando tivemos pela primeira vez após a rearticulação do Movimento Cineclubista no Espírito Santo, de forma efetiva, um Edital específico voltado para Manutenção dos Cineclubes e Formação de Agentes Cineclubistas, o movimento no Estado começa a dar ascensão a sua organização enquanto movimento que pode vir a ser um dos mais organizados e articulados do Estado, estando hoje, presente em quase todas as Regiões do Estado, além de que, em quase todos os Municípios da Região Metropolitana.

São diversos os desafios, mas certamente este momento vivenciado tem sido rico, atuando para além do acesso ao cinema, mas contribuindo de forma significativa ao desenvolvimento e formação humana, através do audiovisual que é hoje estímulo presente em quase a totalidade de nosso cotidiano incutido de seu poder indutivo, persuasivo e de alienação.

O Cineclube então surge em diversos espaços sociais e políticos, como um rico potencializador do diálogo e da formação do olhar e do senso crítico, e deixa de ser apenas uma atividade ligada diretamente ao cinema, mas que se propõe também como Movimento Social Político; político no sentido de propor democraticamente debates sobre o desenvolvimento social e humano. Sendo assim, este Cineclubismo passa a contribuir na formação das futuras gerações e passa assumir novas bandeiras de luta, que extrapolam os limites da exibição apenas.

Quando o diálogo hoje é algo que vem se perdendo ou encontrando diversas complexidades, o Cineclubismo surge como uma rica proposta ao encontro de ideias, fomento de ações sociais, debate sobre diversas causas e lutas utilizando-se da projeção de filmes, espaço fundamental do encontro de jovens que além de ver o cinema, querem hoje também se ver nas telas, e além de se verem querem através das telas contribuírem a tantas lutas que para além da diversidade, possam formar o cidadão.

Mais poeticamente, concluo, com duas frases de dois grandes ícones do Cineclubismo capixaba, e por suas histórias de militância e significante contribuição, também do Cineclubismo Nacional e Internacional.

“Se é movimento é porque se movimenta, e se movimenta há que transformar, e se transforma há que formar uma sociedade melhor.” (Claudino de Jesus – Presidente da Federação Internacional de Cineclubes).

“Quem começou em um cineclube, não deixará de ser cineclubista jamais. Participar de um cineclube é posicionar perante a vida.” (Orlando Bonfim, Cineclubista e Cineasta).

Luciano Guimarães de Freitas.
Militante do Cineclubismo desde 2004.
Presidente do Cineclube Eco Social Águia Branca.
Articulador do Cineclubismo na Região Noroeste do ES.
Colaborador e Sócio Fundador de diversos cineclubes do ES.



Vitória - ES, 03 de dezembro de 2012.

domingo, 18 de março de 2012

Cineclubando: DO COTIDIANO AO CINECLUBISMO...

Cineclubando: DO COTIDIANO AO CINECLUBISMO...: DO COTIDIANO À NASCENTE DO CINECLUBISMO. Peculiaridades de minha vida comum. Uma homenagem ao meu imensurável amigo, Antônio Claudino de J...